Juvenália: questões estéticas, geracionais, raciais e de gênero na comunicação e no consumo.

Apresentação

O grupo de pesquisa, constituído em março de 2015, tem caráter interinstitucional e transdisciplinar, tendo em sua agenda de discussões temas, pesquisas e autores de ponta nacionais e internacionais, com ênfase nas áreas da comunicação, dos ativimos, da política, da estética, do entretenimento e do consumo. Atualmente os pesquisadores do grupo articulam-se em torno de: seus projetos individuais de pesquisa, o projeto de pesquisa da líder do grupo, quando seus orientandos ou supervisonados de pós-doc; em torno da rede do grupo internacional de pesquisa do GT Clacso Infancias y Juventudes e do projeto de pesquisa da equipe Brasil PUCSP/Juvenália, quando pesquisadores associados.

Em sua fase inicial, o projeto comum de estudos e pesquisa tratou da construção dos fundamentos epistêmicos, reflexivos, metódicos e conceituais que norteiam nossa prática de pesquisa e extensão, mediando a inserção da equipe no campo científico. Tomamos por declarada inspiração a proposta de Imre Lakatos da metodologia dos programas de investigação científica, ou seja, compreendendo a produção de conhecimento como um esforço coletivo e em rede. Também partilhamos da crítica de Paul Feyerabend aos “fundamentalistas do saber” e aos “relativistas extremos”. Compreendemos nosso espaço de debate intelectual como sendo aquele da produção de um conhecimento sistemático e, nos termos de Jesus Martín-Barbero e Rossana Reguilo, “implicado”, ou seja, comprometido com seu espaço-tempo e com as perspectivas da aplicabilidade social. Isto significa ainda dizer de nosso foco em práticas comunicacionais e de consumo audiovisual protagonizadas por setores subalternizados e não necessariamente nas representações hegemônicas que deles são postas em circulação.

Atualmente, a investigação nucleadora do JUVENÁLIA, coordenada pela líder do grupo, Profa. Dra. Rose de Melo Rocha, tem como título “Artivismo musical de gênero em São Paulo: dinâmicas de comunicação, contextos de consumo, políticas de apresentação e audiovisibilidade em um pop encarnado e translocal”. São objeto deste projeto expressões artivistas contemporâneas de cantores, músicos e musicistas brasileiras/os vinculadas/os ao debate de gênero. Deste modo, refletimos criticamente sobre as características, as implicações e as condições atuais do artivismo de gênero imbricado na música brasileira e na cultura pop transnacional, considerando a relação entre políticas de audiovisibilidade, processos de subjetivação e enfrentamento de condições de subalternização/exclusão/vulnerabilidade pela via estética/artística. Tanto a dimensão imagética e imaginária do consumo quanto a dimensão comunicacional de diferentes ativismos, como os juvenis e subculturais, são temas de relevância para a agenda científica nacional, possibilitando uma inserção qualificada junto a fóruns internacionais.

A articulação entre bases empíricas e conceituais é ponto fundamental para os estudos que desenvolvemos. Considerando a centralidade dos processos de comunicação e das práticas de consumo na cena contemporânea, compreendendo a política em sentido amplo, em suas expressões não institucionais e cotidianas, problematizamos: a) o consumo de audiovisualidades na constituição sociocultural contemporânea; b) as dinâmicas do olhar associadas às culturas midiáticas e do consumo; c) as políticas de audiovisibilidade articuladas por segmentos e/ou coletivos juvenis; d) as práticas comunicacionais e de consumo articuladas por setores juvenis e/ou subalternizados no espaço das cidades e das digitalidades; e e) os engajamentos ético-estéticos vinculados ao consumo, à cena urbana e midiática.

Objetivos

O JUVENÁLIA tem por principal objetivo promover e consolidar um espaço de interlocução acadêmica de intercâmbio comunidade/escola e de produção de conhecimento em torno de grandes temas e escolas teóricas da comunicação e do consumo articulados ao ativismo, ao debate estético, à cultura pop, ao entretenimento, às culturas juvenis, ao campo midiático e à cena urbana. O diálogo intelectual, as pesquisas e projetos de extensão do grupo estão vinculados ao universo do debate estético, das culturas juvenis, das discussões de gênero e das questões raciais, focando suas relações com a comunicação, a política e o consumo. Além disso, a consolidação de nosso guia epistêmico dialoga, constantemente, com temas da realidade brasileira e da conjuntura internacional, com destaque para aqueles diretamente relacionados a nosso campo de conhecimento, a saber, a comunicação e o consumo, as questões estéticas e políticas. Ressalte-se que, em sua diversidade, os pesquisadores do grupo tomam por base comum a metáfora que nos nomeia: JUVENÁLIA. A partir das nossas investigações, a abordagem das questões estéticas, políticas, de gênero, geracionais, raciais, da cultura pop e do entretenimento desdobra-se em duas linhas:

Linha 1: Ativismos, cultura pop, gênero e questão racial:

Esta linha investiga condições culturais e novos fluxos políticos associados a: a) ativismos, políticas de visibilidade e de subjetivação em mobilizações, movimentos e coletivos, com sua produção imagética e imaginária; b) ações de trânsito (urbano/digital; midiático/massivo; ético/estético) atinentes à midiatização do social, à espetacularização e à iconicização do capital; c) cosmopolitismos, diásporas, glocalidades e processos de celebrização (pós-)periféricos articulados ao consumo (material e simbólico); d) dinâmicas botton-up e práticas contra-hegemônicas no entretenimento e na cultura pop; e) processos de escuta e consumo musical vinculados ao debate de gênero e a questões raciais.

Linha 2: Estética, política e novas expressividades audiovisuais:

Esta linha tem por objetivo investigar dimensões estéticas e políticas articuladas às contemporâneas culturas do consumo, particularmente atentando-se às interações estabelecidas entre culturas visuais, culturas urbanas e cenas midiáticas. Propondo-se a pensar o plano das audiovisualidades e suas implicações na constituição e/ou reiteração de novos sensóreos e imaginários sociais, privilegia os estudos sobre as narrativas de cunho estético e político, bem como os contextos de sua disseminação e consumo; as narrativas para o consumo e a mobilização de sentidos produzidos e decodificados em contextos socioculturais articulados a espaços de comunicação e consumo. Também se incluem nesta linha as investigações de novos formatos e novos contextos de recepção de culturas e práticas midiáticas, massivas e pós-massivas articuladas ao estético, ao sensível e a politicidades.

Equipe

Coordenadora

Rose de Melo Rocha

Membros internos

Daniel Zacariotti

Dariane Arantes

Nathalie Hornhardt

Gabriela Gelain

Fernando Gonzalez

Milene Migliano Gonzaga

Pedro Scudeller

Membros externos

Silvia Borelli

Danilo Postinguel

Cláudia Pereira Ferraz

Everton Vitor Pontes da Silva

Fernanda Elouise Budag

Ícaro Ferraz Vidal Junior

João Marcelo Brás

Omar Sánchez

Oziel Gheirart

Simone Luci Pereira

José Pedro de Almeida Oliveira

Thiago Henrique Ribeiro dos Santos

Thiago Tavares das Neves

Vyullheney Fernandes de Araújo Lacava

Pesquisadores que já colaboraram com o Grupo

Aline Borges

Bianca Araújo

Carolina Prestes

Denise Tangerino

Isabela Zilah

Josefina Tranquilin

Josimey Costa da Silva

Manoela Anastácio

Maria Fernanda Andrade

Marina Caminha

Ma. Conceição Golobovante

Pedro Gomes

Susan Liesenberg

Contato

Facebook
Twitter